segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Muçulmano que faz mulher usar véu perderá cidadania francesa


FRANÇA (*) - O primeiro-ministro francês, François Fillon, disse que firmará um decreto negando a nacionalidade para homens que obrigarem suas mulheres francesas a usar o véu islâmico integral (niqab). Fillon afirmou que as leis francesas permitem que autoridades recusem os pedidos de nacionalidade para aqueles que desrespeitam os valores do país.


Um dia antes, o ministro da Imigração, Eric Besson, disse que firmou um decreto segundo o qual ele negará um pedido de nacionalidade de um homem não identificado, já que ele, de acordo com o ministro, rejeita o secularismo e a igualdade de gêneros.

A França discute atualmente se proíbe o uso de véus islâmicos integrais e da burca. Um painel do Parlamento afirmou que essas vestimentas devem ser proibidas em locais públicos, incluindo o transporte público e hospitais.
Relatório
A França já teve um caso semelhante. Em 2008, a Justiça francesa negou o pedido de cidadania a uma mulher marroquina alegando que a prática islâmica dela, considerada “radical”, era incompatível com os valores franceses.
Na semana passada, um relatório de uma comissão parlamentar francesa propôs a proibição parcial dos véus islâmicos completos no setor público, em locais como hospitais, meios de transportes em massa, escolas e prédios do governo.
O relatório também recomendou que vistos e pedidos de cidadania sejam negados a qualquer um que demonstre sinais visíveis de “práticas religiosas radicais”.
Já o Ministério do Interior informou que apenas 1,9 mil mulheres usam o véu completo na França, que é o país da Europa com a maior comunidade muçulmana.
A França firmará um decreto negando nacionalidade a maridos que obrigarem suas esposas francesas a usarem o véu islâmico integral (niqab). A notícia saiu hoje no site da Folha de São Paulo. Segundo o site, o primeiro- ministro francês, François Fillon, disse que as leis francesas permitem que autoridades neguem pedidos de nacionalidade quando os valores do país são desrespeitados. Conforme o redator do site, um pedido de nacionalidade de um homem não identificado será negado porque ele rejeita a igualdade de gêneros e o secularismo. O ministro da Imigração, Eric Besson, disse que firmou um decreto permitindo esse tipo de atitude por parte do governo francês.
Essa medida permeia as discussões na França que atualmente discute a proibição do uso dos véus islâmicos e também da burca. Um painel do Parlamento afirmou que esse tipo de vestimenta deve ser proibida em locais públicos como hospitais, meio de transporte em massa, escolas e prédios do governo. Essa proibição foi sugerida na semana passada em relatório enviado por uma comissão parlamentar francesa, que também recomenda que vistos e pedidos de cidadania sejam negados a qualquer pessoa que demonstre “práticas religiosas radicais.”   O site afirma que para o presidente Nicolas Sarkozy o niqab não é  bem-vindo na França.
Com informações da AE, da BBC Brasil e Estadão.