terça-feira, 11 de outubro de 2011

Governo bloqueia sites e transmissões cristãs nas Maldivas

A liberdade de imprensa tem se mantido estável nas Maldivas, seguida de repetidos ganhos desde 2009, de acordo com o relatório divulgado pela Freedom House.

O país foi considerado um local “parcialmente livre” para a  mídia, pois a Constituição protege a liberdade de expressão, mas também restringe a liberdade das pessoas que possuem “discursos” contrários ao Islã.

O relatório foi publicado antes do lançamento dos novos regulamentos da lei da unidade religiosa, que proíbe que a mídia “produza e/ou divulgue programas que humilhem o Islã, os seus profetas, o Alcorão, a Sunnah do Profeta ou a fé islâmica”, podendo-se ser preso com a pena de 2 a 5 anos.

O governo evita interferir no acesso da população à internet, que é utilizada por cerca de 30% dos moradores do país. No entanto, o Ministério de Assuntos Islâmicos anunciou em 2008 que sites cristãos e contrários ao Islã seriam bloqueados, com base no argumento de que eles poderiam afetar negativamente a crença no islamismo. Por isso, muitos sites foram bloqueados a pedido do Ministério.

Enquanto isso, jornalistas permanecem sujeitos à perseguição, e os incidentes relatam isso, como o ataque à sede da VTV por “desconhecidos” e um ataque da polícia contra jornalistas que cobriam um protesto político.

Ataques verbais incluem ameaças contra a mídia, vindas do Partido Democrático das Maldivas (MDP), e repetidas ameaças de morte contra blogueiros, vindas de extremistas islâmicos influentes no país.


***
Postado pelo Pastor Elias Alves no Missoes Peru - Fonte: portasabertas.org